terça-feira, 27 de março de 2012

Perguntas que as crianças fazem

Muitos pais se encontram com o dilema entre responder ou não com a verdade quando a criança faz certas perguntas. Algumas vezes perguntas sobre como funcionam as coisas podem até complicar os pais, mas nada como as perguntas do tipo “de onde eu vim”. Este tipo de pergunta é comum em todas as idades, o que varia é a quantidade de informação que a criança consegue acompanhar em cada faixa etária. É possível dizer sempre a verdade, mas o nível de detalhamento da resposta deve ser ampliado conforme a idade avança. Responder com a verdade, mesmo que os pais fiquem surpresos ou até constrangidos inicialmente, é importante para estabelecer confiança mútua e incentivar o diálogo saudável. De forma geral os pais devem buscar respostas apropriadas para cada idade, se preparando  buscando informações e/ou consultando um psicólogo especializado. É preciso encarar o ato de responder á criança como uma oportunidade de ensiná-la tudo que ela precisa aprender antes mesmo de ir para a escola: bondade, tolerância, justiça e generosidade. Fornecer informações claras e verídicas também prepara a criança para lidar com a própria sexualidade, abusos e situações de violência.

Gabriela P. Daltro
Psicóloga CRP 06/86668
gabipdaltro@hotmail.com

terça-feira, 13 de março de 2012

Psicoterapia e Ejaculação Rápida

A Ejaculação rápida, ou ejaculação precoce, é uma disfunção sexual masculina que se dá por uma queixa relacionada á falta de controle da ejaculação e/ou insatisfação com a variação de tempo para ejacular. É uma disfunção que atinge aproximadamente 26% da população masculina no Brasil e é fonte de intensa ansiedade. Na realidade, não há um tempo pré-determinado para a ejaculação, portanto o diagnóstico é feito com base na insatisfação interna do paciente e no quanto seu modo de relacionar-se é satisfatório para ele e para a parceria. Aproximadamente 30% dos casos são situacionais, ou seja, a ejaculação rápida foi adquirida ao longo da vida; 70% dos casos compreendem o quadro que se desenvolveu desde o início da vida sexual. Experiências ligadas ao início da vida sexual, medos e conflitos conjugais, ansiedade generalizada, baixa auto-estima e predisposição biológica são fatores que levam ao distúrbio. A psicoterapia nestes casos atua no auto-conhecimento do corpo e das sensações do cliente (aumento da propriocepção) visando maior controle ejaculatório, controle da ansiedade geral e da ansiedade de desempenho, conflitos relacionais e educação sexual. É importante frisar que doenças urológicas podem ser causa de ejaculação rápida, portanto um urologista deve ser consultado. Muitas vezes é utilizada também medicação aliada á psicoterapia. Procurar ajuda especializada é o primeiro passo rumo a uma vida sexual saudável e mais satisfatória.

Gabriela P. Daltro
Psicóloga CRP 06/86668
gabipdaltro@hotmail.com