terça-feira, 16 de setembro de 2014

Orientação vocacional: ajudando pessoas a escolher e decidir
A orientação vocacional/profissional é um processo guiado de autoconhecimento voltado para a escolha profissional. É direcionado para alunos do ensino fundamental que desejam escolher cursos no ensino médio; para jovens que pretendem prestar o vestibular; profissionais que desejam mudar de carreira e pessoas que já estão aposentadas e querem redirecionar suas ações e produtividade. Durante a orientação são realizadas sessões de entrevistas e testes que auxiliarão na escolha de uma área ou atividade. Durante os encontros são investigadas as habilidades do indivíduo; o conjunto de características predominantes e relevantes para a atuação profissional (perfil); o estilo de vida buscado, o retorno financeiro esperado; a cultura e o meio social em que está, as determinações familiares; o conhecimento da realidade profissional e, por fim, o apoio à tomada de decisão consciente. A orientação vocacional abre espaço para pensar alternativas ainda não consideradas, bem como para o conhecimento dos cursos e atividades disponíveis e dos obstáculos a serem enfrentados neste processo.
 
Gabriela P. Daltro
Psicóloga CRP 06/86668
gabipdaltro@hotmail.com

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Processo de luto: aprendendo a viver com a perda

O luto e o processo de adaptação física e emocional que ocorre após uma perda significativa. Em geral, com o tempo, corpo e mente se acostumam a nova situação e a vida tende a encontrar um novo equilíbrio apesar da dor. Contudo, algumas vezes, o luto pode se estender por muito tempo, ocasionando quadros depressivos, ansiosos e de dependência química. Para compreender o luto, costuma-se dividir o processo em cinco estágios: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Na negação há incapacidade de aceitar o fato, tudo parece um terrível pesadelo; na raiva há a imposição da realidade e surgem perguntas como “por que?”; durante a barganha a pessoa tenta negociar com a dor e a realidade em uma tentativa de fazer as coisas voltarem ao estado anterior, muitas vezes buscando um culpado. Na depressão o luto vem com toda a forca, a pessoa pode ter dificuldades para dormir, isolar-se, ter crises de choro, muitas vezes em segredo; na aceitação as emoções já não estão a flor da pele, o desespero diminui e a pessoa começa o processo de cura emocional e adaptação a nova realidade. O luto precisa ser vivido em todas as suas fases, mas quando há dificuldade em ultrapassa-las e recomendável procurar ajuda psicológica.

Gabriela P. Daltro
Psicologa CRP 06/86668

gabipdaltro@hotmail.com