quarta-feira, 29 de abril de 2015

Como funciona a Orientação Psicológica Online?

Sessões de terapia à distância estão sendo cada vez mais usadas por pessoas que têm muitas coisas para fazer e pouco tempo. A idéia é simples: em vez de se deslocar até o consultório, sua consulta é feita usando o método de comunicação virtual com o qual você e o terapeuta se sentem mais à vontade. A terapia online também é útil para quem viaja muito e não consegue manter a rotina das consultas. Para fazer uma sessão de terapia online, você não precisa nem de um computador, pode usar um iPad ou um smartphone compatível com o Skype. As sessões online apresentam uma oportunidade única de aprendizado e mudança comportamental, uma vez que o contato com o profissional é o mesmo que de forma presencial. Algumas pessoas podem sentir-se ainda mais seguras e confiantes no ambiente virtual. O Conselho Federal de Psicologia – CFP autoriza o psicólogo a prestar atendimento psicológico/orientação psicológica, mediada pelo computador, oferecendo orientações práticas e aconselhamento para a resolução de problemas específicos de modo focal e breve.Até o momento, o psicólogo pode dispor de até vinte contatos/sessões. É direito do cliente e é garantido através do “Código de Ética Profissional do Psicólogo“, o sigilo absoluto de todas as informações. 
Saiba mais enviando um e-mail para gabipdaltro@hotmail.com 
Acesse também o site www.sexosemduvida.com e conheça o atendimento psicológico online específico para terapia sexual.

Gabriela P. Daltro
Psicóloga/Sexóloga CRP 06/86668
gabipdaltro@hotmail.com




quinta-feira, 16 de abril de 2015

“Meu filho é muito ansioso”. O que fazer?

A ansiedade é uma emoção normal, ela nos ajuda a lidar com as situações difíceis e perigosas. Todos nós, inclusive as crianças, podemos nos sentir preocupados, nervosos ou estressados. A ansiedade se torna um problema quando ela impede que a criança desfrute a vida normal, afetando sua escola, relações familiares, amizades e saúde física. É neste ponto que a ansiedade assume o controle e a criança perde o controle. Ás vezes, há uma razão óbvia para a ansiedade, como enfrentar um teste, uma situação nova, uma doença na família, uma morte, etc. Contudo, a preocupação e o medo tendem a vir e a passar após o evento. Outra causa de ansiedade é a forma como a criança compreende o que vive e o que pensa sobre as coisas. É importante que desde a infância aprendamos a identificar e lidar de forma construtiva com nossos pensamentos, pois é a forma de pensar que provoca os sentimentos e emoções. As crianças com ansiedade tendem a pensar de forma negativa e crítica, ter foco nas coisas que dão errado, superestimar a probabilidade de acontecerem coisas ruins, subestimar sua capacidade de lidar com as dificuldades e ter expectativas de fracasso. Durante a psicoterapia, a criança vai aprendendo a identificar estas formas negativas de pensar, percebendo a ligação entre seus pensamentos, sentimentos e atitudes; aprende a checar evidências para seus pensamentos e desenvolve novas habilidades para lidar com a ansiedade. Os pais também são orientados a compreender este processo e auxiliados em como ar apoio e suporte à criança.

Gabriela P. Daltro
Psicóloga CRP 06/86668

gabipdaltro@hotmail.com

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Dicas para a Síndrome do Pânico

A Síndrome do Pânico é um transtorno marcado pela presença de ataques de pânico sem qualquer fator aparente que o provoque. Afeta cerca de 3% da população e produz sofrimento nos campos psicológico, físico e social. Durante os ataques de pânico ocorre medo intenso e desconforto, junto a alguns sintomas mais comuns como palpitações, suor frio, tremedeira, sensação de sufocamento, tontura, dor no peito ou abdômen, formigamento, ondas de calor ou calafrios, sensação de desmaio, entre outros. Um ataque pode durar até 40 minutos, atingindo seu pico em 10 minutos. É importante que a pessoa se lembre de que o ataque “passa”, de que irá sofrer e ter medo, mas que a angústia é passageira. Algumas medidas são importantes no tratamento do pânico: evitar o uso de estimulantes como café, chá mate e coca-cola, manter uma alimentação saudável e o corpo hidratado e praticar exercícios físicos moderadamente são medidas que ajudam a controlar e a diminuir a ansiedade. Práticas como a meditação podem ajudar no equilíbrio mente/corpo, bem como a Acupuntura pode ser usada como terapia complementar. A consulta a um médico especializado, neste caso o Psiquiatra, é fundamental. Muitas vezes o uso da medicação é necessário e importante para uma boa qualidade vida. A psicoterapia também faz parte do tratamento, pois é durante a terapia que a pessoa aprenderá a lidar e enfrentar as crises, bem como poderá trabalhar as causas mais profundas de sua ansiedade.

Gabriela P. Daltro
Psicóloga CRP 06/86668

gabipdaltro@hotmail.com