quarta-feira, 21 de novembro de 2012


Redução de estômago (gastroplastia) e Psicoterapia

A cirurgia bariátrica, ou “redução de estômago”, é um procedimento cirúrgico para tratamento da obesidade que consiste na remoção ou isolamento de uma parte do estômago e, muitas vezes, em um desvio na porção inicial do intestino. A obesidade é uma doença que atinge, somente no Brasil, cerca de 30% da população (dados do IBGE) e acarreta em inúmeros comprometimentos à saúde tais como diabetes melitus, hipertensão arterial, dislipidemias, apnéia do sono, doenças coronarianas, acidente vascular cerebral, entre outros. A cirurgia bariátrica é muitas vezes vista como um tratamento definitivo, contudo ela é mais um meio para o controle adequado do peso. A preparação para a cirurgia envolve o acompanhamento multidisciplinar de médico, endocrinologista, cardiologista, nutricionista, fisioterapeuta, psicólogo e outras áreas afins. Esta abordagem ampla se dá porque a obesidade é uma doença multifatorial, ou seja, sua causa é uma combinação de fatores orgânicos, ambientais e psicológicos. O sucesso da cirurgia está em abordar estes fatores o mais amplamente possível. Assim sendo, a consulta ao psicólogo no pré-operatório é fundamental para avaliar a disponibilidade, estrutura e as expectativas do paciente em relação á cirurgia. O acompanhamento pós-operatório é ainda crucial, pois a pessoa irá enfrentar mudanças radicais em sua alimentação, estilo de vida, imagem corporal, sexualidade, mudanças nos relacionamentos decorrentes da mudança corporal e, inclusive, respostas diferenciadas do ambiente social conforme há a perda de peso. É uma transformação global no modo de se ver, e se relacionar consigo próprio, com o mundo e com os outros. A readaptação alimentar é o fio condutor dos primeiros meses e a abordagem em terapia consiste também na prevenção de doenças secundárias a uma má adaptação alimentar como a anemia e o alcoolismo. Procure um psicólogo especializado para tirar dúvidas e realizar o laudo pré-operatório, mas não se esqueça que a obesidade é uma doença crônica e que vai requerer uma mudança de comportamento para toda a vida.

Gabriela P. Daltro

Psicóloga CRP 86668

gabipdaltro@hotmail.com

quarta-feira, 7 de novembro de 2012


Síndrome do Pânico e Psicoterapia

A Síndrome do Pânico é um transtorno que afeta cerca de 3% da população e gera dificuldades nos campos emocional, social e ocupacional. É caracterizada por ataques ou crises de pânico que ocorrem aparentemente sem causa e sem a presença de perigo. A crise de pânico é um período em que ocorre medo intenso ou desconforto acompanhando de algumas outras sensações como palpitações, suor frio, tremedeira, sensação de falta de ar ou sufocamento, dor no peito, náuseas, tontura, irritabilidade, sensação de desmaio, medo de perder o controle, medo de morrer, formigamento e calafrios ou ondas de calor. A crise pode ser leve, moderada ou grave.  A Síndrome do Pânico pode ser desencadeada por estresse ou situações de vida como viuvez, conflitos familiares, violência, pressão no trabalho, etc. O uso de álcool e drogas pode ajudar no desenvolvimento do quadro. O tratamento envolve, em geral, o uso de medicamentos e psicoterapia. Na psicoterapia são trabalhados temas como auto-percepção, identificação da crise e modos de lidar com ela, ansiedade e medo e temas pertinentes. Procure sempre ajuda especializada como um psiquiatra ou psicólogo.

 Gabriela P. Daltro

Psicologa CRP 86668

gabipdaltro@hotmail.com