segunda-feira, 22 de junho de 2009

Identificando a depressão


As síndromes depressivas são hoje a primeira causa de incapacidade entre todos os problemas de saúde. Estima-se que cerca de 50 milhões de pessoas em todo mundo apresentem ao menos um tipo depressão (neste caso a depressão maior unipolar). Contudo, para que um quadro seja considerado depressivo é necessário uma avaliação que leva em conta 22 itens e sua duração. O principal sintoma da depressão é o humor triste, ou seja, é a partir da tristeza que muitas pessoas procuram ajuda. Todavia, o quadro se caracteriza por uma série de sintomas relativos à autovalorização, à vontade e a motricidade. Os principais sintomas que podem ser facilmente identificados são: tristeza, choro fácil, apatia, indiferença, irritabilidade, sensação de falta de sentimento, angústia, desesperança, fadiga, alterações no apetite e no sono, diminuição da libido, pessimismo, sentimentos de culpa, idéias suicidas e, em alguns casos, delírios. As reações depressivas estão intimamente ligadas às perdas durante a vida: do local de moradia, do emprego, de um familiar ou de algo que seja puramente simbólico/existencial. Outras causas associadas estão ligadas a marcadores biológicos e químicos. A busca de tratamento nos quadros depressivos deve ser feita o mais rápido possível, de modo que não evolua para graus mais graves. O tratamento inclui, em geral, o uso de remédios associados à terapia, portanto a visita a um psiquiatra e psicólogo se faz necessária. Muitas vezes a pessoa não consegue procurar ajuda, por isso é importante que familiares e amigos estejam atentos e que, se for preciso, conduzam a pessoa à ajuda necessária.


Gabriela P. Daltro
Psicóloga CRP 06/86668
gabipdaltro@hotmail.com

sábado, 13 de junho de 2009

Você precisa de ajuda?

Durante o curso de vida somos ajudados de diversas maneiras: nascemos dependentes e muitas vezes continuamos dependentes por um bom tempo de nossas vidas. Dependemos de sermos alimentados, cuidados, abraçados. Contudo, conforme se cresce o apoio recebido dos outros é transformado em auto-apoio, ou seja o objetivo é tornar-se autônomo, capaz de resolver suas próprias questões e dificuldades, capaz de cuidar de si-próprio. Todavia, em diversos momentos da vida continuamos a precisar de outros. Seja para estabelecer um relacionamento, seja para pedir ajuda na resolução de problemas e conflitos. Muitas vezes, no consultório, os terapeutas se defrontam com as dificuldades que o cliente apresenta em pedir ajuda: chegar ao consultório é uma dificuldade por si só. Isto porque o desenvolvimento do auto-apoio é confundido com não-dependência ou mesmo com a sensação de orgulho. O simples fato de requerer ajuda para cuidar da própria vida parece levar muitas pessoas a sentirem-se mais deprimidas ou envergonhadas. É importante frisar que procurar pela ajuda necessária quando se passa por grandes dificuldades no desenrolar da vida não é sinal de vergonha e sim de extrema maturidade. Isso porque demonstra que a pessoa é capaz de reconhecer seus limites e que está disposta a aprender e desenvolver modos melhores de gerenciar a si-mesma e à sua vida. Assim, jamais deixe de procurar ajuda especializada, pois através do auto-conhecimento você poderá ver mais claramente os acontecimentos de sua vida e aprender novas maneiras de apoiar a si mesmo e, quem sabe até, ajudar a outros.

Gabriela P. Daltro
Psicóloga CRP 06/86668
gabipdaltro@hotmail.com
Expectativas X Realidade

Aprender a reagir à realidade e não somente às próprias fantasias é o primeiro passo para lidar corretamente com as próprias expectativas. Todos nós temos expectativas em relação à vida: como deve ser a família ideal, o trabalho ideal, o filho ideal, o cônjuge ideal, etc. Afinal, quem não quer o melhor para si? Contudo, quando estas expectativas são exageradas e a pessoa não consegue aceitar a realidade como sendo diferente do que foi imaginado e idealizado podem surgir desapontamentos e desilusão. Através de um processo de auto-conhecimento é possível entender a importância destas fantasias na auto-realização do indivíduo e levá-lo a viver a vida de modo mais pleno e feliz, tendo expectativas realistas e aproveitando o que a vida e as pessoas podem oferecer do modo como elas são agora. Não é nada fácil recusar aquilo que se imaginou às vezes por toda uma vida, mas com certeza é muito mais satisfatório viver sem falsas ilusões. Afinal, o que é dar certo? “Dar certo” nem sempre é a idéia que se tem do que é dar certo. Muitas vezes a vida presenteia com situações inesperadas que podem trazer felicidade, simplesmente se você olhar para elas e não somente para o que você pensa delas.

Gabriela P. Daltro
Psicóloga CRP 06/86668
gabipdaltro@hotmail.com
Dificuldades de aprendizagem: dislexia


Existe uma série de fatores que podem dificultar a aprendizagem escolar: desde um ambiente inadequado, ansiedade, problemas emocionais, distúrbios neurológicos, problemas de visão e audição, entre outros fatores. Contudo, existem alguns comportamentos que evidenciam problemas mais sérios, como no caso da dislexia. A dislexia é um transtorno de aprendizagem que não tem cura, mas que pode ser amenizado através de tratamento adequado. O diagnóstico não pode ser feito com segurança na pré-escola, somente após a alfabetização. Dentre as características que podem sinalizar a dislexia estão: dificuldades de coordenação motora, dificuldades na leitura e escrita e na cópia, desatenção, dispersão, falta de interesse, desorganização, dificuldade com rimas, vocabulário, matemática e geometria, problemas como timidez excessiva e retraimento. È preciso ficar claro que a presença de um ou dois destes comportamentos não definem a criança como disléxica e que o diagnóstico deve ser feito por um especialista ou psicopedagogo. Além disso, a criança com quadro de dislexia costuma apresentar inteligência acima da média de modo que é necessário identificar suas habilidades e investir nelas. Junto com o aprendizado é preciso valorizar os pontos fortes e estimular a manutenção da auto-estima sem super proteger a criança. O importante quando se trata de dificuldades de aprendizagem é identificar com clareza o que se passa para que as qualidades de seu filho possam ser destacadas e a aprendizagem caminhar de modo satisfatório.


Gabriela P. Daltro
Psicóloga CRP06/86668
gabipdaltro@hotmail.com